quarta-feira, 29 de julho de 2009

E afinal, o que se deu do doido da solda eletrica?

Noticia triste...

Essa foi a mensagem que eu recebi do rapaz que filmou o video do doidao da "maquina de solda eletrica" com agua-e-sal, que o Renan disse que tinha que virar radioamador:
cara, infelizmente ele foi morto, não se sabe por quem. ele morava em vitória, no ES, eu gravei essas imagens em uma tarde, pra um trabalho de graduação. No final do ano passado encontraram o cara agonizando, com sinais de tortura, levaram pro hospital mas ele nao resistiu. Saiu no jornal local que suspeitavam de exterminio, mas nunca souberam de fato o que houve.
Uma pena :(

terça-feira, 28 de julho de 2009

A Internacionalização do Mundo

Um pouquinho de nacionalismo e internacionalismo não faz mal a ninguém. Para aqueles que já conhecem vale a releitura.

Longe de ser uma apologia partidária ao Cristovam Buarque, mas um ponto em comum ao seu pensamento.

Para refletir!


A internacionalização do mundo

O Globo-10/10/2000- Cristovam Buarque

Fui questionado sobre o que pensava da internacionalização da Amazônia, durante um debate, nos Estados Unidos. O jovem introduziu sua pergunta dizendo que esperava a resposta de um humanista e não de um brasileiro. Foi a primeira vez que um debatedor determinou a ótica humanista como o ponto de partida para uma resposta minha. De fato, como brasileiro eu simplesmente falaria contra a internacionalização da Amazônia.

Por mais que nossos governos não tenham o devido cuidado com esse patrimônio, ele é nosso. Respondi que, como humanista, sentindo o risco da degradação ambiental que sofre a Amazônia, podia imaginar a sua internacionalização, como também de tudo o mais que tem importância para a humanidade.

Se a Amazônia, sob uma ótica humanista, deve ser internacionalizada, internacionalizemos também as reservas de petróleo do mundo inteiro. O petróleo é tão importante para o bem-estar da humanidade quanto a Amazônia é para o nosso futuro. Apesar disso, os donos das reservas sentem-se no direito de aumentar ou diminuir a extração de petróleo e subir ou não o seu preço. Os ricos do mundo, no direito de queimar esse imenso patrimônio da humanidade.

Da mesma forma, o capital financeiro dos países ricos deveria ser internacionalizado. Se a Amazônia é uma reserva para todos os seres humanos, ela não pode ser queimada pela vontade de um dono, ou de um país.

Queimar a Amazônia é tão grave quanto o desemprego provocado pelas decisões arbitrárias dos especuladores globais. Não podemos deixar que as reservas financeiras sirvam para queimar países inteiros na volúpia da especulação.

Antes mesmo da Amazônia, eu gostaria de ver a internacionalização de todos os grandes museus do mundo. O Louvre não deve pertencer apenas à França. Cada museu do mundo é guardião das mais belas peças produzidas pelo gênio humano. Não se pode deixar que esse patrimônio cultural, como o patrimônio natural amazônico, possa ser manipulado e destruído pelo gosto de um proprietário ou de um país. Não faz muito, um milionário japonês decidiu enterrar com ele um quadro de um grande mestre. Antes disso, aquele quadro deveria ter sido internacionalizado.

Durante o encontro em que recebi a pergunta, as Nações Unidas reuniam o Fórum do Milênio, mas alguns presidentes de países tiveram dificuldades em comparecer por constrangimentos na fronteira dos EUA. Por isso, eu disse que Nova York, como sede das Nações Unidas, deveria ser internacionalizada.

Pelo menos Manhattan deveria pertencer a toda a humanidade. Assim como Paris, Veneza, Roma, Londres, Rio de Janeiro, Brasília, Recife, cada cidade, com sua beleza específica, sua história do mundo, deveria pertencer ao mundo inteiro. Se os EUA querem internacionalizar a Amazônia, pelo risco de deixá-la nas mãos de brasileiros, internacionalizemos todos os arsenais nucleares dos EUA. Até porque eles já demonstraram que são capazes de usar essas armas, provocando uma destruição milhares de vezes maior do que as lamentáveis queimadas feitas nas florestas do Brasil.

Nos seus debates, os atuais candidatos à presidência dos EUA têm defendido a idéia de internacionalizar as reservas florestais do mundo em troca da dívida. Comecemos usando essa dívida para garantir que cada criança do mundo tenha possibilidade de ir à escola.

Internacionalizemos as crianças tratando-as, todas elas, não importando o país onde nasceram, como patrimônio que merece cuidados do mundo inteiro. Ainda mais do que merece a Amazônia. Quando os dirigentes tratarem as crianças pobres do mundo como um patrimônio da humanidade, eles não deixarão que elas trabalhem quando deveriam estudar; que morram quando deveriam viver.

Como humanista, aceito defender a internacionalização do mundo. Mas, enquanto o mundo me tratar como brasileiro, lutarei para que a Amazônia seja nossa. Só nossa.

(*) Cristovam Buarque, 58, doutor em economia e professor do Departamento de Economia da UnB (Universidade de Brasília), foi governador do Distrito Federal pelo PT (1995-98). Autor, entre outras obras, de "A Segunda Abolição" (editora Paz e Terra).

Nota:

Recebemos um email questionando sobre a autenticidade do texto, pois alguns "web sites" diziam não ser Cristovam Buarque o seu autor. Entramos em contato com Cristovam que confirmou, em 10/05/2002, ser o texto de sua autoria:

"Prezado Paulo

O artigo é meu e foi publicado no Globo e no Correio Brasiliense, no final de 2000. O fato em si ocorreu em Setembro de 2000 em Nova York, durante o State of The World Forum.

Grande abraço

Cristovam"

e mais, em 28 de maio de 2002:

Prezados (as) amigos (as),


Vem sendo distribuido pela internet por diversas pessoas, o que me surpreende agradavelmente, o artigo "A Internacionalização do Mundo". O fato que deu origem a este artigo ocorreu em Nova York, nas salas de convenções do Hotel Hilton, durante o encontro do State of the World Forum, em Setembro de 2000. Publiquei o artigo no Globo e no Correio Braziliense, logo depois. Mas de vez em quando surgem mudanças e informações adicionais nem sempre verdadeiras. É falso que o artigo foi publicado no New York Time e outros jornais estrangeiros. Se tivesse sido eu tomaria certamente conhecimento através de algum amigo.

No mais, fico contente que vocês tenham lido. E para aqueles que ainda não leram aproveito a oportunidade para mandar.

Grande abraço
Cristovam

BIBLIOGRAFIA: INTERNET, http://www.almacarioca.com.br/cro38.htm

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
“During a recent discussion, in the United States, someone asked my opinion regarding the internationalization of the Amazon Region. The youngster asserted that he expected a response of a humanist and not of a Brazilian.


This was the first time anyone had established the humanist viewpoint as the starting point for my response. In fact, as a Brazilian I would have responded simply against internationalization of the Amazon Region. Even if our governments have not given the attention that this treasure deserves, it is ours. I responded that, as a humanist, realizing the risk of environmental destruction that threatens the Amazon Region, I could imagine its internationalization, just as for everything else that is important to humanity.

If the Amazon Region, from a humanist΄s point of view, has to be internationalized, then we should internationalize the oil reserves of the entire the world as well. Oil is just as important to the well being of humanity as the Amazon Region for our future. Nevertheless, the owners of oil reserves feel it is in their right to increase or decrease oil production and to raise or lower the price. The rich of the world, feel they have the right to burn this valuable possession of humanity. Similarly, the financial capital of the wealthy nations should be internationalized. If the Amazon Region is a natural reserve for every human being, then it could not be burned down by the decision of a landowner or a country. To burn down the Amazon Region is so tragic, as the unemployment provoked by the arbitrary decisions of world wide speculators. We cannot permit that the world΄s financial reserves serve to burn down entire nations according to the whims of speculacion.

Before the (internationalization of the) Amazon Region, I would like to see the internationalization of all the world΄s great museums. The Lourve cannot belong only to France. Each museum in the world is a guardian for the most beautiful works produced by the human genius. It cannot be permitted that these cultural possessions, as the natural posession of the Amazon Region, can be manipulated or be destroyed according to the whims of an owner or a country. Recently, a Japanese millionaire decided to have a painting of a grand master burried with him in the grave. This painting should have been internationalized.

At the time of the meeting, in which this question came up, the United Nations convened the Forum of the Millennium and the presidents of several countries had difficulties in attending due to barriers (they faced) at the border. Therefore, I contend that New York, as the base of the United Nations, should be internationalized. At least Manhattan should belong to all of humanity. Similarly Paris, Venice, Rome, London, Rio de Janeiro, Brazilia, Recife, every city with its own beauty, its own history should belong to the whole world.

If the United States wants to internationalize the Amazon Region, due to the risk of leaving it in Brazilian hands, then we should internationalize all the nuclear stockpiles of the United States. Particularly since they have already shown that they are capable of using these weapons, causing a destruction thousands of times greater than the sad fires taken place in the Brazilian forests.

During their debates, the current U.S. presidential candidates have defended the idea of internationalizing the world forest reserves in exchange for the debt. We could begin to use this debt to guarantee the right of every child in the world to attend school. We could internationalize the children treating all of them, regardless of their birthplace, as a posession which deserves the care and attention of the entire world. Even more so than the Amazon Region. When the world leaders attend to the world΄s poor children as possessions of Humanity, they will no longer permit that these children work when they should be studying, that they die when they should be living.

As a humanist I accept to defend the internationalization of the world. So long as the world treats me as a Brazilian, I will fight so that our Amazon Region will be ours. Only ours.”

Text by Cristovam Buarque (Professor of Brasilia University, ex-governor of Brasilia, D.F. and Brazilian Senator). As reported in the Brazilian Daily O Globo on the 23rd of October, 2000.

domingo, 26 de julho de 2009

AVISO:AOS RADIOAMADORES DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO.

Encontra-se na pagina provisória da LABRE-ES (http://labre-es.blogspot.com/) todos os documentos que deram origem a criação da nova LABRE-ES.
Breve marcaremos juntos com todos os radioamadores nossa 1ª reunião de trabalho de nossa Liga.
Esperemos a participação de todos.
" A Labre é a casa do Radioamador"

terça-feira, 21 de julho de 2009

Krohling Imports III







- Pô... tomaram o HT da minha mão, ó...









- Eu tinha dois e levaram. Eu tava dormindo... Isso só pode ser coisa do Alemão.

Click na imagem e veja onde está o pensamento de Didil.


Krohling Imports II


Diálogo entre dois guerreiros:

- Rapaz... quando é que a gente vai sair? Já estamos por aqui há 2200 anos!

- Não sei... parece que o General perdeu contato via rádio com o Imperador Qin Shi Huang Di. Não sobrou nem um HT!

- Malditos alemães!!!

Krohling Imports




Aquele alemão tá levando todos os HT´s de nosso Exército de Guerreiros!!!






Jingtong :JT208,JT308,JT2118,JT3118...

QUANSHENG:TG-K2AT ,TG-K4AT,TG-42AT,TG-45AT,TG-46AT,TG-26AT...

WEIERWEI:VEV-3288S ,

PUXING :PX-777,PX-666,PX-328...

FDC:FD150A,FD450A,FD160A,FD460A.

WOUXUN :KG-679,KG-669,KG-699,KG-UVD1,KG-UVD1P

Genéricos

Didil, o gordo e o magro.


Não vou falar quem são o gordo e o magro.

E esses dois???

A mais nova dupla de dois sócios:

Uma dupla de dois pescadores de homens.

Quando tem muito vento é bom ter um amigo por perto...

O outro do lado já vai à praia de boné para não queimar ficha com os amigos.

E essa dupla?

Ah... como éramos magrinhos.

Esse aí, além de ser nosso amigo é ...


também amigo do Corpo de Bombeiros.
Atualmente, esse macanudo, está baseado no Peru.

E essa amizade?

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Hoje é dia do amigo!!!! Vamos postar a foto mais pitoresca de nosso amigo!


E vocês acham que eu iria postar quem?
Didil - meu amigão!
Pescador de Homens.

Hoje é dia do AMIGO...



... não é o caso da foto, mais tem amizade que é selada, dentro do botequim tudo na base da maldita cachaça. A foto do lado não tem nada, absolutamente nada com o texto.
Mesmo por quê os dois pinguços (pé inchado) da foto, já eram manguaceiros mesmo antes de se conhecerem.

sábado, 18 de julho de 2009

Morre Walter Cronkite, 'o homem mais confiável da América' - Radioamador KB2GSD SK

Jornalista de 92 anos cobriu importantes fatos históricos dos EUA.

Cronkite era considerado um dos âncoras de maior credibilidade


Apresentador do Vídeo "Amateur Radio Today" de 2003 da ARRL


O jornalista americano Walter Cronkite, um dos âncoras de maior prestígio da TV americana, morreu nesta sexta-feira (17), aos 92 anos. Segundo a emissora CBS, a família informou que Cronkite lutava contra uma doença vascular no cérebro há sete meses.


Conhecido como “o homem mais confiável da América” e lembrado em diversas pesquisas como um dos jornalistas de maior credibilidade nos Estados Unidos, ele apresentou telejornais na CBS entre os anos de 1962 e 1981.

Cronkite participou das coberturas de importantes fatos históricos, como o assassinato do presidente John Kennedy, a guerra do Vietnã, escândalo do Watergate e a chegada do homem à lua.


Cronkite foi considerado o expoente máximo de uma época na qual a figura do âncora acumulava salários milionários, determinava o noticiário emitindo opiniões, monopolizando os grandes eventos, além de influenciar na maneira como o americano deveria pensar.


O modelo combinado de apresentador e editor-chefe de telejornais ainda é referência não só no Estados Unidos como em vários países como o Brasil.

No auge de seus 60 anos de carreira, Cronkite desempenhou um papel crucial na mudança da opinião pública americana sobre a guerra do Vietnã.


Sem paletó, com a manga da camisa dobrada, ele tomou o microfone para anunciar que JFK acabava de ser vítima de um atentado. Uma hora mais tarde, contendo as lágrimas, retirou os óculos de lentes grossas para anunciar ao país a morte de seu presidente.


quinta-feira, 16 de julho de 2009

quarta-feira, 15 de julho de 2009

A gambiarra agora tem endereço certo

http://thereifixedit.com/


Pare tudo o que você está fazendo e veja este site.

Para aqueles que adoram uma gambiarra...

Super Bonder, Durepoxi, Silver Tape, Cola Quente e Espírito de McGyver.

Quantos posts vamos fazer neste blog???

Novo Equipamento TRS-38 CL


Foto do Equipo...

Representantes: Candeias e Volmar